domingo, 27 de maio de 2012

'Efeito Xuxa' estimula denúncias de abuso

No Facebook, onde conversa com seu público e recebe milhares de mensagens, a apresentadora Xuxa afirmou semana passada que seu desabafo no “Fantástico” teve como um dos objetivos ajudar crianças e adolescentes a denunciar abusos sexuais.

“Valeu pelas crianças e adolescentes que estão tendo coragem de denunciar. E os criminosos estão sendo presos”, escreveu. “Tá ajudando a divulgar o disque 100”, concluiu. 

Há uma semana, em plena noite de domingo, Xuxa surpreendeu o Brasil ao contar ter sido vítima de abusos até os 13 anos, por adultos próximos.

Um dos resultados nos dias seguintes foi a divulgação de assuntos relacionados ao crime contra a infância, entre eles a necessidade de denunciar os casos à polícia.  

Ao contar sua história, entre lágrimas, Xuxa mostrou também que os abusos não são novidade, apesar de aparecerem mais agora. 

Um caso famoso em Bauru também é prova disso. A menina Mara Lúcia Vieira foi morta em novembro de 1970, aos nove anos, após sofrer estupro.

Os autores nunca foram encontrados, o crime prescreveu e a história trágica da criança alimenta até hoje boatos sobre o envolvimento de pessoas influentes no ocorrido.  

Quatro décadas depois, outro crime parecido chocou a cidade e ainda não teve a investigação concluída.

Desta vez, no entanto, o acusado está preso. Renato Alexandre Cury Martinelli, 33, confessou o assassinato da menina Vitória Graziela Fernandes de Lima, de apenas 6 anos, filha de uma ex-namorada dele.

A polícia é cuidadosa em relação ao assunto por causa dos riscos que Renato corre na prisão, mas dá a entender que a criança foi vítima de crime sexual antes de morrer e pode ter sido queimada ainda viva.

Além da agilidade da polícia, o que mudou nos últimos 40 anos foi a criação de instrumentos que facilitam as denúncias. 

O disque 100, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, é um deles. O serviço foi criado para receber denúncias de violações à dignidade das pessoas. Nos dois dias depois do depoimento de Xuxa ao “Fantástico”, recebeu 30% a mais de ligações.

Desde o ano 2000, 18 de maio é o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual Infanto-juvenil, o que estimula a realização de campanhas de prevenção no país.

“O primeiro grande passo é a informação. É preciso que as pessoas estejam cientes de que as crianças e adolescentes têm sido vítimas dessa forma de violência e que em muitos casos os aliciadores e pedófilos são pessoas próximas”, escreveu a juíza Rossana Teresa Curioni Mergulhão em artigo publicado no BOM DIA. 

‘Faça Bonito. Proteja as crianças’

Os números dos serviços da Sebes sobre atendimento a  vítimas de abusos sexuais mostram claramente o aumento dos registros. 

Em 2010 foram 118 casos. Em 2011 o número saltou para 196.  Até abril deste ano, 28 casos de abusos sexuais foram atendidos pelos serviços sociais. 

Um pit stop fez parte da mobilização local contra o abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes, articulada este mês. 

Num sábado, dia 21 de maio, oito cruzamentos de Bauru receberam equipes que levaram informações para conscientização da população.

O tema foi “Faça Bonito. Proteja Nossas Crianças e Adolescentes”.  

Ações de conscientização também foram realizadas nos Cras (Centros de Referência de Assistência Social) espalhados pela cidade.

Um dos objetivos é chamar a atenção dos profissionais que trabalham diretamente com crianças e adolescentes, como professores. 

Muitas vezes são eles que percebem os sinais de que há algo errado e é preciso acionar os mecanismos de ajuda.

Serviço social possui rede de atendimento

A Sebes (Secretaria Municipal do Bem-Estar Social) oferece atendimento psicossocial individual e coletivo para as famílias e crianças e adolescentes vítimas de abuso e exploração. O atendimento é feito por meio do Creas (Centro de Referência Especializado de Assistência Social).

Segundo a Sebes, de acordo com a situação apresentada é acionado pelos profissionais o chamado Sistema de Garantia de Direitos, formado por órgãos como o Conselho Tutelar, Ministério Público, Defensoria Pública e Juizado da Infância e Juventude. 

O sistema garante medidas de proteção, entre elas o afastamento do agressor e acompanhamento da superação do risco.   

Existem em Bauru seis serviços de acolhimento para crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. Os abrigos contam com o cofinanciamento da Sebes.  

A secretaria realiza neste mês, em parceria com o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, uma série de atividades de enfrentamento ao abuso e exploração sexual.

Palestras, orientações, audiência pública e até uma passeata fazem parte. 

O objetivo é  divulgar a importância da prevenção e conscientização da população.

Além do Ligue 100, que é nacional, os casos de abuso podem ser denunciados no 190, no  Conselho Tutelar (3227-3339), Plantão Bauru (9651-4441) e Creas (3227-7533). 

O endereço para atendimento no Creas é a  Praça das Cerejeiras, 1-28, Vila Noemy.

Apresentadora não quer mais falar
No Facebook, Xuxa  disse que não quer mais falar sobre o assunto e que não se sente bem ao mencioná-lo.  “Eu queria ajudar crianças que passam ou passaram pelo que eu passei”, disse.  

220.000 
Foi o número de ligações recebidas pelo Disque 100 até a última terça-feira

Xuxa leu ‘ataques’ a seu depoimento
A apresentadora também e leu manifestações críticas a seu depoimento.  “Valeu até pelos comentários desagradáveis”, escreveu na rede social.
 
 
Fonte: Rede Bom Dia

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Facebook Favoritos

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes